quarta-feira

Manteiga de Cupuaçu

A casca é dura e lisa, de coloração castanho-escura. As sementes ficam envoltas por uma polpa branca, ácida e aromática.


Os frutos surgem de janeiro a maio e são os maiores da família.

A árvore que dá o cupuaçu é nativa da parte oriental da Amazônia. A atualmente a espécie é encontrada em toda a bacia amazônica do Brasil e dos países vizinhos. Nestas regiões, não importa se nas capitais, cidades ou vilarejos: quase todas as casas possuem um ou mais pés de cupuaçu em seu pomar. O cupuaçu representou, tanto para as populações indígenas quanto para os animais, uma fonte primária de alimento na floresta Amazônica. Nas tribos indígenas, o suco de cupuaçu, depois de ser abençoado por um pajé, era utilizado para facilitar nascimentos difíceis. As sementes do cupuaçu são utilizadas por indígenas até hoje para aliviar dores abdominais. A manteiga preparada a partir das sementes é utilizada em queimaduras, para acalmar as dores. A casca do fruto apresenta razoáveis teores de potássio ferro, manganês e outros nutrientes, e é usada, em mistura com outros resíduos da agroindústria de frutas, como adubo orgânico.

Com a polpa do cupuaçu é possível preparar diversos tipos de doces: sucos, sorvetes, cremes, gelatinas, espumas, pudins, tortas, bolos, pavês, biscoitos, compotas, geléias e o agora famoso e polêmico "cupulate".

O cupuaçu é um parente muito próximo do cacau (ambos pertencem ao gênero Theobroma - veja também Cacaueiro). Embora sejam diferentes externamente, são as ricas e gordurosas sementes do cupuaçu que aproximam os dois frutos: delas é possível extrair uma pasta semelhante àquela com que se produz o chocolate e a manteiga de cacau. Para cada tonelada de sementes frescas obtém-se 180 kg de cupulate e 135 kg de manteiga, que é usada na formulação do produto em tabletes.

A gordura extraída das sementes tem larga aplicação na indústria de cosméticos, indicando pelo alto poder de hidratação, sendo usado para peles e cabelos ressecos.